20 nov | Sessão de casos: lesões de rim

Enio_Ziemiecki_Junior.jpg

O Dr. Enio Ziemiecki Junior (foto), sob a supervisão do Dr. Rubens Feijó Andrade, apresentou no dia 10/10 (quarta-feira) os tipos de doenças detectadas nos rins. Como exemplo, foi citado o caso de um paciente de 66 anos com quadro de pielonefrite.
As lesões renais podem ser identificadas através da Classificação de Bosniak, dividida em cinco partes. A categoria I é aplicada quando há presença de um cisto simples benigno com uma parede de espessura capilar que não contém septos; a categoria II é definida no caso da presença de poucos septos no cisto benigno; a presença de múltiplos septos de espessura capilar ou espessamento de sua parece determina caracteriza a categoria III; as massas císticas, na categoria IV, possuem paredes ou septos espessados irregulares ou lisos; a presença massas císticas malignas determina a presença da última categoria.
O principal critério usado na diferenciação de lesão cirúrgica de não cirúrgica é a presença ou não de impregnação após o uso do meio de contraste. As categorias I, II e III não apresentam impregnação mensurável. Os demais modelos, em contrapartida, apresentam realce mensurável nas paredes, septos ou nos componentes sólidos.
O acompanhamento tomográfico e a conduta cirúrgica não preconizada da biópsia percutânea na avaliação da massa cística renal são indicados indicada para investigar o possível desenvolvimento de abscesso crônico e cisto renal infectado, especialmente em pacientes idosos sem condições cirúrgicas. A punção, nesses casos, deve ser realizada na via ou linha axilar posterior, evitando alcanças os músculos eretores da coluna, alças intestinais, fígado e baço.

Galeria

<- Voltar